RSS

Beijo

29 Oct

É aquele beijo.

Dado na inocência da primeira vez,

na candura perdida da idade.

O fechar de lábios,

expondo a carne rosada da tua face

ao querer e não querer de alguém

a quem nós nos damos,

perdidos na ilusão de uma felicidade

eterna, se eterna fosse a alva ternura

de um beijo dado por se querer.

 

Foi aquele beijo, penitência do meu coração

para sempre marcado perante a resposta

que não chegava, atormentando a razão

toldada pela vontade de te enlaçar com

os meu lábios, rubros de vontade, repletos

de um desejo fervente, que ainda hoje

ressalta a olhos doutros, quentes pedaços de pele,

grossos pedidos de toque do teu sentir,

que de por entre os teus e tua língua

me enrolar e no teu aroma

a pele suada ou perfume esgotado

pelas vidas vividas e cicatrizes formadas,

me perder ou encandear para o redor.

 

Será aquele beijo, seguro do tempo,

trémulo de paixão e ávido de querer

que quero um dia oferecer-te, meu amor.

Será o beijo que nenhuma boca te oferecerá

nem outro corpo te sentirá,

pois só de mim, do meu sempre querer,

igual ao meu sempre junto a ti estar,

meu coração combalido, um dia vai receber.

Será o beijo da morte ou da alegria,

mas existirá para firmar o desejo

do passado ou o desejo do futuro,

selado com o mais presente e sequioso

trocar de olhares e toques esquecidos.

 

Será o que nos libertará.

 

 

Advertisements
 
Leave a comment

Posted by on October 29, 2012 in Perdidos

 

Tags: ,

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: