RSS

Bem longe

30 Oct

Passa um vagão repleto de uma imagem,

Que tua ilusão ciou sem testemunhas.

Duvidas deste sentimento de pertença

Que te assola a visão, o coração.

Não sabes o que esperar!

Esperas tudo, e o tudo não é suficiente.

Clamas pelas lágrimas que te escorrem

Por teus olhos e lábios sedentos de sonhos,

Na esperança delas saberem onde te leva

Este comboio da tua vivência,

Este trilho que ainda não pisaram, em demasia.

Não sabes onde os pequenos traços de emoção

Te conduzem, te querem levar a conhecer.

 

Perdeste-te de mim, na hora da partida,

Naquele momento onde devias ter ficado

Junto ao meu corpo que bradava por ti,

Perto deste sorriso que nascia por te saber ali,

Próximo deste coração que ainda sangra

Por te ter perdido entre o espiar daquele som,

Entre a imagem perdida de um nevoeiro amigo,

Rente a uma sombra dobrada a meio desta figura,

Por um triste vapor, e um triste som de partida.

 

Perdeste-te de mim, naquele momento

Onde já mais não te poderia ter tido,

Onde já não me pertencias.

Ficaste com meu sentimento em tuas mãos,

Tortuosas mãos que me arrancaram isto do peito

Destruindo a mal cozida cicatriz que me fizeste.

Oh amor de uma madrugada, que para lá de mim,

Que um infinito horizonte cruzaste,

Permaneceste com ele, lá bem longe deste

Covil imenso que ajudaste a criar!

 

(01/01/23)

Advertisements
 
Leave a comment

Posted by on October 30, 2012 in Perdidos

 

Tags: ,

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: