RSS

No teu poema

19 Jan

 

Pedras salgadas que unem

Rios de lágrimas corroídas.

Passos perdidos, alegremente,

Doce saudade de um distante…

Poema!

 

 

Palavras soltas que correm;

Símbolos de um ser parecido;

Lâminas de te querer;

Prazer de te fazer lembrar um…

Poema!

 

 

Sítios perdidos entre muitos;

Achados sem serem procurados,

Odor por serem presentes!

 

 

Límpida imagem; cor ofuscada;

Pedra doce e amargurada,

Dor constante de te perder…

Oh Poema!

 

(00/06/23)

 

Esta letra, esta música permance sempre no meu inconsciente. Permance sempre na minha inspiraçao. Permanece não. Insiste. Insiste ela própria no meu ser para que nasça, em mim, sempre, a necessidade de alguma palavras surgir a partir de uma folha em branco. De uma emoção vazia. De um arrepio, de alma, de corpo, sempre que a oiço. A oiço nesta voz, desta senhora!

 

Advertisements
 
Leave a comment

Posted by on January 19, 2013 in Perdidos

 

Tags: ,

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: